NOTÍCIAS

Desembolsos do BNDES atingem R$ 43,5 bi até maio

30 de junho de 2011 às 0:00
Compartilhe essa notícia

Foto: Duboix/MorguefileOs desembolsos do BNDES atingiram R$ 43,5 bilhões entre janeiro e maio deste ano, com recuo de 6% em relação a igual período de 2010. Já as liberações de empréstimos às Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPMEs) cresceram 11% no período, somando R$ 19 bilhões.

Por cinco meses consecutivos, as operações com MPMEs são destaque no desempenho do BNDES. Os desembolsos às empresas de menor porte tiveram participação de 44% sobre o total liberado pelo Banco no período. De janeiro a maio, foram realizadas mais de 290 mil operações com MPMEs ou 94% do total.

Esse comportamento é explicado pela ampla penetração do Cartão BNDES, produto voltado exclusivamente a empresas de menor porte e que, nos primeiros cinco meses deste ano, liberou R$ 2,4 bilhões, em 177 mil operações. Nos 12 meses encerrados em maio último, as liberações do Cartão BNDES atingiram R$ 5,3 bilhões.

O Programa BNDES de Sustentação do Investimento (BNDES PSI) também teve forte impacto sobre o desempenho das MPMEs, que aproveitaram as condições competitivas do programa para ampliar os investimentos. Em sua terceira etapa, e mesmo após o reajuste de taxas em abril último, o PSI continua sendo uma opção atrativa para MPMEs.

As consultas por financiamentos do BNDES, no total de R$ 72,6 bilhões nos primeiros cinco meses deste ano, recuaram 11% em relação ao mesmo período de 2010. O comportamento reflete, em grande parte, a elevação dos juros do PSI, que contribuiu, num primeiro momento, para retrair o movimento das consultas. Já as aprovações do BNDES, de R$ 62 bilhões, cresceram 6% na mesma comparação.

O desempenho do Banco nos primeiros cinco meses do ano confirma as estimativas de manter os desembolsos de 2011 no mesmo nível de 2010, ou seja, em patamar próximo de R$ 145 bilhões.

O setor de Infraestrutura, com R$ 17,5 bilhões, respondeu por 40% do total dos financiamentos liberados pelo Banco até maio último. O destaque ficou com o segmento de transporte rodoviário, ao qual foram destinados R$ 10,5 bilhões.
 
Já a Indústria, com R$ 13,7 bilhões, teve participação de 32% nos desembolsos do BNDES no período, com liderança dos segmentos de alimento e bebida (R$ 3 bilhões), material de transporte (R$ 2,2 bilhões) e química e petroquímica (R$ 2 bilhões).

Para o setor da Agropecuária, o Banco liberou R$ 3,6 bilhões (participação de 8% sobre o total). Para Comércio e Serviços, destinou R$ 8,5 bilhões (participação de 20%).

Desempenho em 12 meses

Numa análise de mais longo prazo, observa-se que, nos últimos 12 meses encerrados em maio, o BNDES liberou R$ 140,9 bilhões (sem considerar a operação de capitalização da Petrobras realizada em setembro de 2010, no valor de R$ 24,7 bilhões, e outras operações do mercado secundário), resultado 7% abaixo do desempenho dos 12 meses anteriores. Considerando a operação da Petrobras, o desembolso dos últimos 12 meses atinge R$ 165,8 bilhões, com alta de 10% na comparação.