BLOG

Pratas da casa

5 de maio de 2021 às 12:47
Compartilhe essa notícia

Nova diretoria da AgeRio é formada por funcionários de carreira da instituição, que detalham os planos da agência, ressaltam o processo constante de capacitação do corpo funcional e comentam as expectativas ao assumirem a gestão em um momento tão desafiador. POR  JADER MORAES

Pela primeira vez em sua história, a Agência Estadual de Fomento (AgeRio) tem sua diretoria inteiramente formada por funcionários de carreira da instituição. Uma geração que, via concurso público, ingressou na agência fluminense no início da década passada e ao longo dos anos assumiu postos de comando em diversas áreas da organização. Agora, oferecem a experiência de um conhecimento intenso sobre as potencialidades da agência em um momento desafiador para a economia brasileira, em particular no Rio de Janeiro.

O presidente André Luiz Vila Verde, 41 anos, iniciou sua trajetória na agência em 2011, na área de captação, e viajou por todo o estado como analista de desenvolvimento econômico. Em 2014, foi promovido a gerente Regional de Negócios e no início do ano passado se tornou superintendente de Negócios com Médias e Grandes Empresas e Operações Estruturadas. “Todas as gestões anteriores, desde o início da agência, foram muito importantes para estruturá-la e para os expressivos resultados que alcançamos. Agora, assumimos em um momento desafiador, mas com grande vantagem de conhecermos profundamente a empresa e seus funcionários e encurtarmos a curva de aprendizagem, pois já ocupávamos cargos estratégicos na instituição”, ressalta Vila Verde. “A AgeRio sempre teve a cultura de dar autonomia para todos nós que ocupamos cargos de decisão. Por isso, estávamos preparados para assumir essas responsabilidades”, completa.

Nesse cenário de muitos desafios para a economia, em função da crise da pandemia da Covid-19, o presidente diz que o principal desafio de curto prazo é conseguir atender a crescente demanda por financiamento e apresentar as soluções eficientes para os empresários fluminenses. Para isso, a agência sob sua gestão pretende ampliar a capilaridade para todo o estado. “Precisamos deixar de ser uma ‘prateleira’ com serviços prontos, para criarmos soluções específicas para cada segmento. Isso passa por aprendermos a correr mais riscos, mas permanecermos com nossa carteira sustentável”, diz.

Para a diretora de Operações da agência, Tatiana Oliver, o ano de 2020 deixou explícita a necessidade de se reinventar. Ela também chegou à agência há cerca de dez anos e foi superintendente em três áreas distintas até chegar à diretoria, no ano passado. Em meio à pandemia, a instituição teve que se adaptar internamente, com a adoção do home office, e também na interlocução com os clientes, com o aumento exponencial da demanda por crédito. “Sabemos que 2021 também será desafiador, mas estamos com boas expectativas. O principal objetivo é a manutenção dos empregos e dos negócios. E para isso acontecer, além de mantermos as ações bem-sucedidas que já temos realizado, vamos precisar expandir para o interior”, reforça, em linha com o movimento defendido pelo presidente. A diretora analisa que o fato de a nova diretoria ser formada por funcionários de carreira da instituição facilitou o processo difícil de transição, em meio às crises econômica e política que o estado do Rio atravessou. “Nós não partimos do zero, conhecemos as pessoas e a complexidade das ações que precisam ser desenvolvidas, construímos ao longo desses anos uma relação de confiança. É um momento de renovação, de transformação, e essa mudança gerou uma expectativa positiva nos trabalhadores da agência, um quadro funcional bem jovem que agora tem uma nova visão da carreira e das possibilidades de cada um”, justifica Oliver.

Da esquerda para a direita: Gustavo Madureira (diretor Jurídico), Tatiane Peres (diretora de Controladoria), André Vila Verde (presidente) e Tatiana Oliver (diretora de Operações)

Formação

A ascensão de funcionários de carreira ao topo da hierarquia consagra um trabalho constante realizado pela instituição para preparar seu corpo funcional para assumir cargos de responsabilidade. Ao longo dos últimos anos, a agência desenvolveu o Plano Estratégico de Gestão de Pessoas (Pegep), que organiza a diretriz de formação de capital humano. O plano é focado em quatro eixos, entre eles o desenvolvimento de programas contínuos de capacitação, motivação e engajamento na organização.

Um desses programas é o Crescer com a AgeRio que, por meio de Trilhas de Desenvolvimento, promove a capacitação dos funcionários em até oito áreas: Liderança, Negócios, TI Funcional, Inovação em TI, Jurídico, Alta Administração, Risco e Compliance e um módulo intitulado “Somos Todos Fomento”. Nas trilhas, os participantes desenvolvem habilidades e conhecimentos sobre temas como governança corporativa, mapeamento de processos, análise de dados e licenciamento ambiental, entre outros temas da agenda específica das instituições de fomento, como garantias, recuperação de crédito e risco socioambiental. 

De acordo com o presidente, a proposta é seguir nesse caminho de capacitação intensiva, e, para isso, pretende estruturar um modelo de educação corporativa próprio da agência. A ideia é aliar formação teórica e prática, para seguir formando lideranças de perfis diversos. “Precisamos investir numa educação corporativa plena do corpo funcional, para gerarmos empoderamento para as pessoas que estão aqui e formarmos novas lideranças, que poderão assumir ainda mais responsabilidades na agência em um futuro”, complementa. Ele destaca também, além dos programas de capacitação, alguns mecanismos de participação interna nos rumos da instituição, como os grupos de trabalho interdisciplinares e a sistemática paritária para a tomada de decisões estratégicas.

Futuro

Além do presidente e da diretora de Operações, compõem a gestão da agência a diretora de Controladoria, Tatiane Peres, que ingressou na organização em 2010, como analista de desenvolvimento, e ocupava recentemente a superintendência de Controladoria; e o diretor jurídico Gustavo Madureira, mestre em Direito e funcionário da AgeRio desde 2013.

“Temos consciência de que essa é uma oportunidade de ouro. Fazemos parte dessa história, construímos a agência junto a tantos profissionais que passaram e permanecem aqui. Então estamos animados, apesar de todas as dificuldades desse momento: queremos ver a economia voltar a crescer, a roda voltar a girar, e a agência seguir com seu papel fundamental para o Rio de Janeiro”, afirma Tatiana Oliver.

O sentimento de expectativa é compartilhado pelo presidente André Vila Verde. Para ele, a principal missão da agência nesse fomento é cumprir o mandato destinado às Instituições Financeiras de Desenvolvimento: “Precisamos de fato ser a principal ferramenta para o desenvolvimento econômico do estado. Sabemos do desafio que isso significa e estamos prontos”.

LEIA A EDIÇÃO DIGITAL DA RUMOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *