NOTÍCIAS

Microempreendedor individual faz parte do público-alvo prioritário da GoiásFomento

24 de fevereiro de 2021 às 11:14
Compartilhe essa notícia

A Agência de Fomento de Goiás  (GoiásFomento) liberou, só no ano passado, cerca de R$ 7 milhões em crédito exclusivamente para os Microempreendedores Individuais (MEIs), que têm limite disponível de R$ 30 mil para desenvolver suas atividades, tanto para investimento quanto para capital de giro. Segundo o presidente da Agência, Rivael Aguiar, o microempreendedor individual faz parte do público-alvo prioritário da agência. De acordo com ele, todas as linhas de crédito disponíveis, exceto o Pronampe, podem ser acessadas por esse tipo de empreendedor.

A microempreendedora individual (MEI) Ednéia Macedo, proprietária da distribuidora de bebidas Moreira, localizada no Setor Vila Santana, em Goiânia, foi enfática, ao afirmar que o financiamento obtido junto à GoiásFomento foi fundamental para a sobrevivência do seu negócio nesse momento de pandemia.  O dinheiro do empréstimo foi aplicado para ajudar a alinhar o capital de giro do estabelecimento.

“Compramos mais mercadorias, estamos com um estoque excelente e também conseguimos contratar um colaborador para nos ajudar. Estamos firmes no mercado”, comemorou Ednéia Macedo, que toca o negócio desde março de 2018.

Fundos de Aval

“Uma de nossas ações é incentivar os trabalhadores autônomos e prestadores de serviço a fazerem o seu registro como  Microempreendedor Individual”, destacou Rivael. “Com isso, eles conseguem ampliar bastante o acesso ao crédito”, avaliou.

Segundo, ainda, o presidente da GoiásFomento, os MEIs ainda têm a possibilidade de contar com os Fundos de Aval, tanto do Fampe (Fundo de Aval das Micro e Pequenas Empresas do Sebrae) quanto da Sociedade Garantidora de Crédito, com as quais a agência possui convênio.

Ele considerou “muito importante”, o trabalhador autônomo registrar o seu CNPJ, porque além dos benefícios de acesso ao crédito, ele consegue todos os benefícios previdenciários. E mais: passa a fazer parte das estatísticas econômicas e também contribui com a geração de impostos. Explicou se tratar de um cadastro simplificado.

“Nosso convênio com o Sebrae prevê esse apoio para o trabalhador autônomo registrar o seu CNPJ. E a GoiásFomento dá todo esse apoio, para que o MEI cresça e, futuramente, possa abrir a sua microempresa, e cada vez mais gerar emprego e renda para o nosso Estado”, afirmou.

Fonte: Ascom/GoiásFomento