NOTÍCIAS

Crédito do BDMG para micro e pequenas empresas atinge recorde histórico em maio

23 de junho de 2020 às 11:55
Compartilhe essa notícia

O Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) desembolsou R$ 62,0 milhões em crédito para micro e pequenas empresas (MPE) em maio, recorde mensal para o segmento desde que o banco foi fundado há 58 anos. O desempenho reflete o plano de minimização dos impactos da pandemia de Covid-19, anunciado pelo governador Romeu Zema e pelo presidente do BDMG, Sergio Gusmão, em 8 de abril.

Com isso, os desembolsos do BDMG para as Micro e Pequenas Empresas (MPE) do estado acumulam R$ 155,6 milhões nos cinco primeiros meses do ano, alta de 101% sobre o mesmo período do ano passado, quando o desembolso foi de R$ 77,3 milhões. Durante todo o ano de 2019, o BDMG destinou R$ 180 milhões às MPE. Para 2020, espera-se desembolsar mais do que o dobro deste montante para o segmento que, em Minas Gerais, gera 60% cerca do total de empregos.

De acordo com o governador, tem sido uma preocupação desde o início da pandemia salvar vidas, empregos e empresas. “Isso é uma manifestação do compromisso do governo na concessão de crédito, fazendo com que os recursos cheguem na ponta”, destacou Romeu Zema.

Conforme o presidente do BDMG, os bancos de desenvolvimento devem atuar na corrente anticíclica da crise. “Compatibilizar a forte demanda gerada pela pandemia com uma gestão de risco que também assegure a sustentabilidade financeira da instituição no longo prazo é o caminho que estamos trilhando”, explica Sergio Gusmão.

A fim de reduzir a burocracia e dar maior celeridade ao processo, as solicitações de crédito e pedidos de renegociação podem ser feitas online, pela plataforma digital do banco. “O BDMG foi o primeiro banco de desenvolvimento brasileiro a implantar um sistema digital para requisição de crédito. Hoje, no cenário deflagrado pela pandemia, termos esta tecnologia a serviço dos nossos clientes tem sido especialmente importante para dar maior celeridade às análises”, complementa Sergio Gusmão. Caso prefiram, os clientes podem acionar os correspondentes bancários, cuja lista e contatos também se encontram disponíveis no site.

Em 8 de abril, o BDMG anunciou um plano para aumentar o colchão de liquidez do empreendedor mineiro. Entre as medidas anunciadas e que se refletiram do desembolso recorde em maio estão: a redução das taxas de juros, com prazo de carência dobrado, para as MPE de todos os setores econômicos, linhas de crédito especiais para setores específicos (saúde, turismo, emrpeendedorismo feminino), a possibilidade de renegociação de dívidas de empresas com o banco, entre outras medidas.

Mais Recursos para a cadeia do Turismo

O BDMG recebeu recentemente do Ministério do Turismo um aditivo de R$ 90 milhões a fim de ampliar a disponibilidade de recursos do Fundo Geral do Turismo (Fungetur). A linha de crédito é destinada a empresas de todos os portes pertencentes a, pelo menos, uma das 90 atividades ligadas à cadeia do turismo, tais como hospedagens, bares, restaurantes e lanchonetes, transporte e agências de turismo, negócios de produções artísticas, de teatro e dança, animação de festas, infraestrutura de eventos, aluguel de equipamentos etc.

Nos primeiros cinco meses de 2020, o BDMG desembolsou R$ 39,4 milhões via Fungetur, mais de seis vezes o valor destinado no mesmo período do ano passado. Com o aditivo de R$ 90 milhões, somando-se ao contrato anterior, o banco ainda tem disponíveis para o setor cerca de R$ 112 milhões até 2020. As solicitações de crédito podem ser feitas diretamente na plataforma digital do banco ou por meio de correspondentes bancários.

Desde 24 de março, o BDMG facilitou as condições de financiamento para o setor do turismo perante o impacto da pandemia. A taxa de juros da linha Fungetur foi reduzida de 0,57% ao mês (+ INPC) para 0,41% ao mês (+ INPC), a mais baixa do mercado. Já o prazo de carência dobrou de 6 meses para 12 meses, com pagamento em até 48 meses.

Para ter acesso aos recursos as empresas também precisam estar em operação há pelo menos seis meses e serem inscritas no Cadastro de Prestadores de Serviços Turísticos (Cadastur) – o cadastro pode ser feito gratuita e rapidamente pelo próprio empresário na página do Ministério do Turismo.

Fonte: Ascom/BDMG