BLOG

AS IFDS FRENTE AOS DESASTRES NATURAIS

17 de março de 2020 às 12:33
Compartilhe essa notícia

As Instituições Financeiras de Desenvolvimento têm um histórico destacado de apoio a municípios e empresas atingidos pelas chuvas e outros desastres naturais. Em 2008, por exemplo, o Badesc agiu após as enchentes que atingiram o estado de Santa Catarina. A agência realizou um mutirão de crédito para micro e pequenos empreendedores e contou com o apoio do Sebrae, por meio de melhores condições de acesso para obter garantias do Fundo de Aval de Micro e Pequenas Empresas (Fampe).

Posteriormente, em 2011, a AgeRio, por intermédio do Programa de Apoio Solidário (PAS), atuou prontamente junto à Região Serrana do Rio de Janeiro, assolada pelos desabamentos ocasionados por uma forte chuva que atingiu a localidade. O primeiro financiamento ocorreu para uma comerciante de Feira Alto, em Teresópolis, no valor de R$ 3,5 mil para capital de giro. Além de financiamento, a agência também realizou palestras sobre os programas de apoio financeiro para empreendedores.

Em 2017, o BDMG e o Bandes atuaram de forma conjunta para apoiar a população atingida com o rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana (MG), que comprometeu diversas cidades dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Em parceria com a Fundação Renova, os dois bancos criaram o Desenvolve Rio Doce, fundo de capital de giro para as empresas dos 39 municípios atingidos pelo rompimento. Desde a criação do fundo mais de 200 empresas foram beneficiadas com empréstimos a taxas e prazos atrativos. Ainda na região do Vale do Rio Doce, o Bandes e o Instituto Terra estabeleceram, a partir de 2011, parceria para recuperar as nascentes da bacia do Rio Doce, por meio do Programa Reflorestar. A iniciativa tem como meta restaurar 80 mil hectares na região.

Em 2020, novamente o BDMG, o Bandes e a AgeRio lançaram linhas de crédito emergenciais para os municípios e empresas afetados pelas fortes chuvas neste início de ano. O objetivo é apoiar os empreendedores que tiveram seus negócios prejudicados e retomar com agilidade as atividades econômicas nas regiões que decretaram situação de emergência ou calamidade pública.

Cada instituição possui um programa específico com suas próprias condições.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *