NOTÍCIAS

ABDE e Finep realizam Workshop do Cidades Inovadoras

30 de outubro de 2018 às 10:53
Compartilhe essa notícia

A Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE) e a Finep realizaram, na quarta-feira (24/10), um workshop para apresentar detalhes do funcionamento do Cidades Inovadoras aos bancos e agências de fomento que vão operar os recursos da linha. O programa prevê um orçamento de até R$ 1 bilhão em dois anos para financiar atividades de inovação em estados e municípios brasileiros.

A proposta é que o Cidades Inovadoras seja mais um produto financeiro a ser operado pelos agentes regionais, que já repassam recursos do Inovacred a micro, pequenas e médias empresas. “O estreitamento da relação com a ABDE permite que entendamos melhor as demandas regionais e coloquemos à disposição dos parceiros locais todo o leque de instrumentos de apoio à inovação da Finep”, disse o presidente em exercício da Finep, Ronaldo Camargo.

Para Marco Aurélio Crocco, presidente do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) e da Associação Brasileira de Desenvolvimento (ABDE), trata-se de uma relação com benefícios mútuos. “A Finep ganha capilaridade com as instituições financeiras regionais, que chegam a municípios e empresas que não têm contato direto com a financiadora. Em contrapartida, elas passam a dispor de novos produtos para oferecer aos clientes”, ressaltou.

Durante a reunião de trabalho, a Finep apresentou aos cerca de 60 membros da associação presentes ao encontro a nova equipe que fará a interface com os bancos e agências de fomento. A interlocução será comandada por Sergio Bresser, superintendente da Área de Captação, Crédito e Investimento, Miguel Elian, gerente de Acompanhamento das Operações de Crédito, Claudio Gioia, coordenador de Garantia e Maurício Marques, gerente de Operações de Crédito Descentralizado, que cuidará da parte operacional dos projetos.

Com a mudança, a expectativa da Finep é ampliar o percentual de ativo de crédito em operações descentralizadas. “Queremos disponibilizar R$ 3 bilhões para os bancos nos próximos três anos”, comentou Rennys Frota, diretor de Inovação da Finep. Para melhorar o fluxo do repasse, a financiadora atendeu a uma demanda antiga dos agentes regionais: o limite de crédito vai estar condicionado ao saldo devedor, não mais às cartas de crédito. A liberação vai seguir uma nova metodologia dos limites globais.

Outra novidade apresentada no workshop foi a possibilidade de remunerar os bancos e agências que trouxerem novos clientes para a Finep. Os parceiros serão remunerados em 1% do valor do contrato enquadrado nas principais linhas de ação da financiadora, como Inovação Crítica, Inovação Pioneira e Inovação para Competitividade.

Cidades Inovadoras: agentes descentralizados terão acesso a condições de operação do programa até início de novembro

Até o início de novembro, a Finep vai encaminhar aos bancos e agências de fomento o regulamento, as instruções de trabalho e o manual do Cidades Inovadoras para dar início à operação do programa. “Nosso objetivo é transformar essas ações em programas de estado, e não de governo”, declarou Gilberto Kassab, ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Ao todo, mais de 100 municípios – como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte – já demonstraram interesse em acessar o programa, que prevê recursos de até R$ 1 bilhão em dois anos.

Lançado no final de setembro, o Cidades Inovadoras é um programa de descentralização dos financiamentos de atividades de inovação em prol do desenvolvimento sustentável das regiões brasileiras, com a parceria de agentes financeiros credenciados e dos escritórios regionais da Finep. Os agentes financeiros repassarão recursos a prefeituras, governos estaduais e empresas de economia mista ou empresas privadas interessadas em desenvolver projetos de inovação que beneficiem suas áreas de influência local/regional.

São quatro setores que receberão apoio de forma prioritária: saneamento e Recursos Hídricos; mobilidade urbana; eficiência energética; e energias renováveis. Outros setores de atividade econômica poderão ser apoiados mediante análise das necessidades locais pela Finep e/ou dos agentes financeiros.

A taxa de juros será de CDI + 3,0% a.a. (remuneração Finep) e a remuneração do agente será negociada entre a instituição e o cliente. O prazo de carência será de até 24 meses e o prazo de amortização, de até 96 meses. A Finep terá participação de até 100% do valor do Plano Estratégico de Inovação (PEI). As prefeituras ainda poderão contar com o auxílio do Sebrae para desenhar os projetos a serem submetidos aos agentes regionais.

Fonte: Finep

Foto: Sergio Dutti